agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Murilo Reis Professor, mestre em Estudos Literários pela Unesp e autor do livro de contos "Identidades secretas"
FALE COM O COLUNISTA:

Ao contrário de Manoel de Barros, nunca soube o verdadeiro motivo

"Ponderamos sobre uma época em que havia grande cuidado na feitura de documentos. A pena era vagarosamente mergulhada em um recipiente de tinta escura."
Postado em: 25/06/2020 às 16:24
Autor: Murilo Reis
Ao contrário de Manoel de Barros, nunca soube o verdadeiro motivo

Nada de computares.

As bússolas de Manoel de Barros eram velhos dicionários com páginas desbeiçadas pelo manuseio.

Ele não buscava verbetes em nuvens virtuais e preferia arrancá-los de antigas enciclopédias.

 

O poeta mato-grossense aponta um lápis nas primeiras cenas do documentário Só dez por cento é mentira.

Manteve-se fiel a essa ferramenta até o fim da vida.

Manoel sabia o quão voláteis são as palavras em uma tela eletrônica e que frases digitadas nascem desprovidas de identidade.

 

A escrita manual está no centro de A carta roubada, uma das principais histórias de detetive de todos os tempos.

O autor da missiva é chantageado pelo ladrão, que ameaça revelar o que nela está estampado.

C. A. Dupin desvenda os pormenores que envolvem o crime cometido.

 

Alguém dirá que o mais importante nessa narrativa é a solução do enigma.

É o que estava escrito naquela epístola que me intriga.

Não falo do significado, mas da aerodinâmica das letras manuscritas.

 

Ponderamos sobre uma época em que havia grande cuidado na feitura de documentos.

A pena era vagarosamente mergulhada em um recipiente de tinta escura.

O escriba desenhava os verbetes na superfície cartonada, lacrando o envelope a quente, depois de dobrar a página.

 

No conto de Edgar Allan Poe, os motivos que afligiam a vítima talvez não fossem somente relacionados ao segredo contido na carta.

O que fazia aquele homem se revirar na cama era a lembrança do trabalho que tivera para, à luz de um toco de vela, compor cada linha do texto.

As palavras daquele pequeno reino lhe pertenciam.

Elas eram parte de sua identidade.

Ele as queria de volta.

 

Dupin recuperou o documento e teve a recompensa.

Acomodando-se satisfeito numa poltrona, acendeu o cachimbo, as janelas da biblioteca fechadas.

Ao contrário de Manoel de Barros, nunca soube o verdadeiro motivo pelo qual o dono da carta roubada chorou ao recebê-la novamente.

Relacionadas

Murilo Reis
Os últimos resquícios do dia
22/06/2021 às 08:07
Murilo Reis
Recortes
29/03/2021 às 16:26
Murilo Reis
Um lugar de ancoragem
01/03/2021 às 17:53

Blogs e colunas

Luís Antonio
Luís Antonio
Subserviência fardada
24/05/2021
Murilo  Reis
Murilo Reis
Os últimos resquícios do dia
22/06/2021
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Matheus  Santos
Matheus Santos
Qual o legado de Edinho Silva?
19/01/2021
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Ana Magnani
Ana Magnani
Refletindo sobre invisibilidade
19/02/2021