agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Murilo Reis Professor, mestre em Estudos Literários pela Unesp e autor do livro de contos "Identidades secretas"
FALE COM O COLUNISTA:

De facada na barriga a ameaças de morte

"Ao menor sinal de sofrimento alheio, todos estão atentos para captá-lo e repassá-lo em todos os grupos de Whatsapp que a visão possa alcançar."
Postado em: 12/09/2018 às 08:41
Autor: Murilo Reis
De facada na barriga a ameaças de morte
Divulgação

O diário que despertou meu interesse por jornalismo foi o extinto Notícias Populares. Meu pai o comprava para deixar à disposição dos fregueses que frequentavam seu bar. O NP foi conhecido por manchetes como "esbagaçou o bebê na parede" e "matou a mulher a socos". Tinha o apelido de "jornal de sangue" - desnecessário explicar o motivo.

Mesmo falecido - teve suas atividades encerradas em 2001 -, continuou fazendo escola. O sensacionalismo estilo Gil Gomes (impossível não mencionar o clássico telejornal Aqui Agora) evoluiu para as perseguições ao vivo narradas na hora do café da tarde por José Luiz Datena e, hoje, para os smartphones de qualquer cidadão de bem. Ao menor sinal de sofrimento alheio, todos estão atentos para captá-lo e repassá-lo em todos os grupos de Whatsapp que a visão possa alcançar.

No domingo à noite, assisti, pela segunda vez, ao filme O abutre, que conta a história de Louis Bloom (interpretado por Jake Gyllenhaal), sujeito que ganha a vida em Los Angeles realizando pequenas trapaças. Seus dividendos diários aumentam quando ele resolve entrar para o ramo do jornalismo sensacionalista, gravando vídeos de acidentes e crimes brutais recém acontecidos. Depois de registrá-los, realiza a venda para emissoras de TV, que os transmitem logo cedo, no primeiro jornal do dia. Assim, os telespectadores no primeiro jornal do dia. Assim, os telespectadores podem ir trabalhar devidamente saciados.

O grande responsável pelo sucesso do filme (além do diretor Dan Gilroy) é Gyllenhaal. Bloom possui um olhar opaco, esvaziado de qualquer sensibilidade e cheio de frieza que só as pessoas que ficam conectadas à internet 24 horas por dia podem ter. É difícil definir quais são seus objetivos. Dinheiro? Poder? Luxúria? Seja qual for sua meta, ele manipula e, quando necessário, elimina qualquer um que se coloca no seu caminho. Jogar sujo é seu passatempo favorito.

O abutre é uma fiel representação da realidade em que vivemos. Tudo acontece ao vivo e simultaneamente, de facada na barriga de político a ameaças de morte a jornalistas em redes sociais. Se ainda existisse, talvez o Notícias Populares não fosse páreo para tamanha brutalidade

Relacionadas

Murilo Reis
Os últimos resquícios do dia
22/06/2021 às 08:07
Murilo Reis
Recortes
29/03/2021 às 16:26
Murilo Reis
Um lugar de ancoragem
01/03/2021 às 17:53

Blogs e colunas

Luís Antonio
Luís Antonio
Subserviência fardada
24/05/2021
Murilo  Reis
Murilo Reis
Os últimos resquícios do dia
22/06/2021
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Matheus  Santos
Matheus Santos
Qual o legado de Edinho Silva?
19/01/2021
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Ana Magnani
Ana Magnani
Refletindo sobre invisibilidade
19/02/2021