agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Ernesto Lopes Ernesto Lopes é administrador de empresas com experiência em audiovisual e marketing
FALE COM O COLUNISTA:

A necessidade de lideranças conciliatórias

"Numa democracia saudável, quem perde uma eleição reconhece a derrota e respeita o resultado do pleito. Mas a responsabilidade maior cabe a quem venceu, que deveria ter um gesto de grandeza estendendo a mão ao lado derrotado"
Postado em: 14/06/2021 às 10:32
Autor: Ernesto Lopes

É senso comum que se não tivermos união, é praticamente impossível atingir nossos objetivos. Esta máxima se aplica com perfeição à situação política atual, desde a esfera federal, passando pela estadual e chegando à municipal.

Vivemos uma época de “tribalização de opiniões”. Grande parte das pessoas passaram a escolher um “time” político e adotaram todas as posições do grupo escolhido, suspendendo a análise crítica e eximindo-se de fazer julgamentos caso a caso, refletindo sobre fatos e evidências.

Parece confortável não precisar utilizar o pensamento crítico. Basta se alinhar ao grupo e terá a aceitação de todos, sem ter que suportar ser confrontado por uma eventual divergência. O problema é que esta atitude passa a politizar os assuntos mais banais, mesmo que num mundo racional sejam apenas questão de bom senso.

Numa democracia saudável, quem perde uma eleição reconhece a derrota e respeita o resultado do pleito. Mas a responsabilidade maior cabe a quem venceu, que deveria ter um gesto de grandeza estendendo a mão ao lado derrotado. É claro que o vencedor vai avançar a sua agenda política, afinal venceu, mas deve deixar claro que governará para todos, mesmo os que discordam dele e não lhe deram seu voto. Eu chamo isto de “liderança conciliatória”, ou seja, não se curvar a quem foi derrotado, mas também não passar a viver de provocações diárias, como se as pessoas derrotadas no voto perdessem  sua cidadania e não precisassem ser levadas em conta.

Cabe ao vencedor cercar-se de pessoas capacitadas e especialistas nas mais diversas áreas, para formar opiniões embasadas em fatos concretos e confiáveis. Não basta montar uma equipe excepcional, é preciso ter a humildade de reconhecer que ninguém é especialista em tudo e saber ouvir as pessoas que ele mesmo escolheu.

Peguemos o exemplo da pandemia de Covid-19. Temos diante de nós a maior crise sanitária da história do Brasil, superando muito as dificuldade que Oswaldo Cruz teve em 1903, quando foi nomeado Diretor Geral da Saúde Pública para combater a febre amarela no Rio de Janeiro, na época nossa capital federal.

Hoje temos um novo inimigo comum: o corona vírus Sars-Cov-2, causador da doença Covid-19. Seria um momento perfeito para que o país, tendo no comando um líder conciliatório, seguisse os ditames da ciência, e unisse todos para combater o inimigo. Porém, não é isto que acontece quando temos lideranças que acreditam é que é mais fácil e conveniente dividir para governar.

A ciência já nos apontou um caminho para que saiamos, ou pelo menos tenhamos um bom controle, da pandemia atual: Vacinação maciça da população, preferencialmente acima de 75%,  e controle forçado da transmissão enquanto não atingimos este patamar.

Neste momento seria importante que a mais alta autoridade do país liderasse pelo exemplo. Adotando todos os protocolos preconizados pela ciência e mantendo seu povo. Porém não é o que vemos, muito pelo contrário, parece que as pessoas, que falecessem aos milhares diariamente, tornam-se apenas uma variável numa equação política, visando apenas a manutenção do poder. Esses mortos não são uma mera estatística, são pessoas, que deixaram um vazio afetivo na vida de outras pessoas, que passaram a conviver com a dor da perda.

Você pode imaginar que meu raciocínio é dirigido apenas ao governo federal. Ledo engano. Este comportamento pode ser encontrado em grande parte dos governos estaduais e em muitos municípios, que também adotaram um comportamento tribalista, esperando não serem confrontados por forças políticas superiores e tentando obter benesses através deste “alinhamento automático”.

Se quisermos evoluir politicamente como sociedade, precisamos passar a observar com mais clareza como um candidato trata seus adversários, como se refere a eles. Saber conviver com o contraditório é a marca dos grandes líderes. A virtude que devemos buscar na hora de escolher nossos políticos é a grandeza de caráter. Esta é a semente da democracia.

Relacionadas

Ernesto Lopes
A democracia é uma conquista inegociável
24/07/2021 às 09:50

Blogs e colunas

Luís Antonio
Luís Antonio
Subserviência fardada
24/05/2021
Murilo  Reis
Murilo Reis
Os últimos resquícios do dia
22/06/2021
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Matheus  Santos
Matheus Santos
Qual o legado de Edinho Silva?
19/01/2021
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Ana Magnani
Ana Magnani
Refletindo sobre invisibilidade
19/02/2021