agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

Black Friday deve render R$ 65,5 milhões em Araraquara

Especialista dá dicas para comprar com segurança e economia
Postado em: 23/11/2017 às 17:34
Autor: Redação
Black Friday deve render R$ 65,5 milhões em Araraquara

Uma das datas mais esperada pelo varejo, a Black Friday deve movimentar este ano R$ 65,5 milhões no comércio eletrônico da região de Araraquara. Os dados são do Sindicato do Comércio Varejista de Araraquara (Sincomercio). De acordo com levantamento realizado pela entidade, o evento, que acontece dia 24 de novembro, deve registrar um crescimento de 15% em relação a 2016. Originária dos Estados Unidos, a Black Friday tornou-se um fenômeno mundial por proporcionar ao consumidor descontos maiores que os praticados durante o ano.

A expectativa do Sincomercio é que o faturamento dos canais virtuais da região, em novembro, seja 80% maior do que a média do ano. As categorias que possuem mais intenção de compra na data são os segmentos de eletrônicos e eletrodomésticos, com destaque para celulares e itens de valor mais alto, e o segmento de vestuário, calçados e acessórios.

Apesar de grandes marcas estarem presentes na Internet, a grande fatia responsável pelo crescimento do e-commerce (comércio eletrônico), na região de Araraquara, são as pequenas e médias lojas virtuais. “No dia anterior à Black Friday, o tráfego no site vai lá em cima. Se a média em dias normais é de 20 pedidos, as solicitações, durante o evento, são de 5 a 6 vezes maior. Há seis anos, criamos nossa própria loja virtual, mas trabalhamos com e-commerce tem um bom tempo. Começamos anunciando no Buscapé, depois Mercado Livre. Hoje, nossas vendas on-line são feitas para todo Brasil pelo Portal Informática e também no site Mercado Livre”, diz Marcelo Luiz Piva, proprietário de uma empresa especializada em itens de tecnologia.

Segundo a economista do Sincomercio, Délis Magalhães, outro fator para o crescimento das vendas on-line está associado à compra antecipada. “O consumidor já está acompanhando os preços pela internet para verificar se os descontos serão realmente atrativos. As compras por impulso são raras na Black Friday”, explica.

 

Como comprar com segurança

Para evitar dores de cabeça nas compras feitas pela internet, Leonardo Vasquez, docente da área de gestão e negócios do Senac Araraquara, dá dicas de como efetuar as compras com segurança e aproveitar as 24 horas de promoção da Black Friday. O docente lembra que links maliciosos existem aos montes, como a nova praga digital batizada de ‘Bad Rabbit’, que entra no computador do usuário por meio de um download falso do Flash Player.

 

Confira as dicas:

1 – Atenção aos detalhes: assim como em lojas físicas, na internet é necessário tomar precauções em relação aos sites que visitamos. Nem todo site é confiável e existem alguns sinais que podem facilitar a averiguação do mesmo. Verifique, por exemplo, se existe a palavra HTTPS na barra de endereços do navegador logo atrás do website: isso é uma garantia de que o site pelo menos segue uma série de diretrizes de segurança obrigatórias na internet.

2 – Fique atento às Listas Negras e reputações dos sites: Antes de sair comprando em uma loja virtual é crucial que seja verificado a reputação deste site para ter certeza se de fato é confiável. Aqui estão alguns canais que podemos tomar como referência antes de comprar:

• Reclame Aqui: www.reclameaqui.com.br

• Site do Procon

• Redes Sociais: dê uma boa olhada nas redes sociais da empresa para verificar avaliações de usuários, comentários e também se as informações são verdadeiras.

3 – Evite promoções falsas: existem lojas virtuais gigantes na Internet. Muitas delas ajudaram a consolidar o termo “Black Fraude” após uma série de promoções falsas, em que o preço foi manipulado de forma a parecer uma excelente promoção, mas que na realidade não mudou praticamente nada o valor final do produto.

4 – Mantenha seus dados protegidos: utilizar cartões virtuais na hora de efetuar a compra é uma boa dica. O serviço é ofertado pela maioria das redes bancárias a partir do Internet Banking justamente para evitar roubos de dados e clonagens.

Faça uso de e-mails descartáveis. Assim, o usuário pode realizar um cadastro com este e-mail e verificar se o site em questão está de acordo com o esperado.

Não realize compras a partir de computadores de estranhos ou locais públicos. Nunca se sabe o que pode estar sendo executado por debaixo dos panos em computadores públicos. Além disso, mantenha seu antivírus atualizado e a proteção para navegação sempre ativa.

5 – Garanta o melhor preço: fique ligado em sites que oferecem cupons de ofertas. Desta forma, todas as compras acabam saindo com um percentual de desconto maior, ou sendo revertidas em pontuações como programas de milhas.

6 – Importar é possível, mas tome cuidado: é possível comprar produtos diretamente da China ou de outros países. No entanto é importante ressaltar que há políticas de importação bastante rígidas no Brasil. Analise se o preço do produto somado às taxas de importação e tempo de entrega compensam de fato a compra.

7 – Por último, mas não menos importante, fique por dentro dos seus direitos como consumidor. Para não ter problemas com processos de trocas, devoluções, cancelamentos e outros, acesse o link: http://www.procon.al.gov.br/legislacao/cartilhadoconsumidor.pdf e entenda o que é possível reivindicar ou não.

 

Varejo tradicional

As oportunidades oferecidas pela Black Friday vão muito além do aumento do faturamento. “Conquistar o cliente deve ser o principal objetivo nessa data tão importante para o varejo. Afinal, o negócio não sobrevive com apenas um dia de sucesso nas vendas”, diz a economista do Sincomercio, Délis Magalhães.

Com o evento, o varejista tradicional tem a chance de mostrar ao seu consumidor quais são seus diferenciais competitivos, destacando porque o cliente deve comprar dele e não do concorrente. “Por isso, além de anunciar preço, é preciso entender quais valores o cliente preza na hora da compra. Na Black Friday, o lojista também pode criar boas promoções para os produtos que estão estagnados no estoque. Montar uma vitrine que chame atenção do consumidor e oferecer melhores opções de parcelamento também são grandes atrativos”, diz a economista.