agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

Desassoreamento da captação custará R$ 6 milhões

"A principal fonte de abastecimento de água de Araraquara está destruída", afirma Edinho Silva
Postado em: 06/12/2017 às 16:04
Autor: Redação
Desassoreamento da captação custará R$ 6 milhões
Assoreamento da captação de água do Ribeirão das Cruzes / Foto: Celso Luís Gallo

O promotor público da área de Meio Ambiente, José Carlos Monteiro, a cúpula do Departamento Autônomo de Água e Esgoto (Daae) e o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), estiveram nesta terça-feira (5) na represa de captação.

Após a visita técnica, Edinho Silva usou as redes sociais para divulgar a análise dos técnicos do Daae. "A principal fonte de abastecimento de água de Araraquara está destruída", declarou o prefeito. "Fizemos uma longa caminhada vistoriando a represa e todo o córrego do Ribeirão das Cruzes e do Marivan, que abastecem a represa. Foi importante o Ministério Público participar desta visita. A represa municipal está completamente destruída. A represa de captação do Daae já significou 60% do abastecimento de água de Araraquara e está destruída", afirmou Edinho.

"Em 2005, aprovamos um Plano Diretor impedindo que se fizesse parcelamento de pequenos lotes em toda a área do Ribeirão das Cruzes, perto das nascentes, na Chácara Flora e acima do Selmi Dei. Mudaram o Plano Diretor, permitindo o fracionamento da área de preservação", explicou o prefeito.

Segundo o superintendente do Daae, Marcos Isidoro, o objetivo da autarquia é "atacar a causa do problema". "Fomos mostrar ao promotor a situação da bacia para que nós possamos deixá-lo a par da situação crítica, haja vista o assoreamento constante e que demanda outras intervenções mitigatórias", diz. O custo estimado para a recuperação da represa, segundo Edinho Silva, é de aproximadamente R$ 6 milhões.

"Além da 2ª fase do desassoreamento, faremos um levantamento hidrológico de toda a bacia para que as próximas ações sejam com base nesse estudo", complementa Marcos Isidoro.