Filosofia inútil de boteco
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Murilo Reis Professor, mestre em Estudos Literários pela Unesp e autor do livro de contos "Identidades secretas"
FALE COM O COLUNISTA:

Filosofia inútil de boteco

"O tempo não para, já disse e continua dizendo Cazuza. Acho que única coisa capaz de congelá-lo é a câmera fotográfica. Ela paralisa uma fração de segundo para sempre, o fragmento de um todo."
Postado em: 05/11/2018 às 09:56
Autor: Murilo Reis

Se você, impaciente leitora, mal humorado leitor, não gosta de filosofia inútil de mesa de bar, sugiro que não continue a leitura desse texto. Caso contrário, sigamos.

No capítulo LIV de "Memórias póstumas de Brás Cubas" , o defunto-autor reflete sobre a passagem do tempo materializada no pêndulo do relógio. Depois de saborear os beijos adúlteros de Virgília, o narrador personagem olha para os minutos que se passam como se fossem ganhos, e não perdidos. É a euforia causada pela droga do Romantismo correndo por um breve momento pelas veias de nosso herói realista.

O tempo não para, já disse e continua dizendo Cazuza. Acho que única coisa capaz de congelá-lo é a câmera fotográfica. Ela paralisa uma fração de segundo para sempre, o fragmento de um todo.

Fotografar já foi coisa séria. As pessoas pensavam na claridade do ambiente, analisavam as circunstâncias e compravam filmes para cada situação - errar em alguma dessas etapas significaria perda total de lembranças. Hoje, paralisa-se o tempo a torto e a direito.

A pergunta que lhe faço, leitora ou leitor que ainda continua por aqui, é a seguinte: qual o valor do tempo? Acumulamos trabalho para aumentar nossas rendas, para preencher o vazio de nossas existências. Com o quê?

No filme "Clube da luta" , Tyler Durden é taxativo: as coisas que possuímos acabam nos possuindo. O celular da nova geração, o carro do ano, a roupa da marca vestida por Gisele Bündchen. Temos cada vez menos tempo porque queremos mais dinheiro para comprar algo que logo será substituído pelo próximo desejo imposto pelos criativos Don Drapers da propaganda.

Depois da Copa do Mundo e das Eleições, dos bate-bocas sobre o comportamento de Neymar e a respeito do desempenho de Gabriel Jesus, das sangrentas discussões com a tia fascista e o primo petralha, o Natal chegou. O pêndulo do relógio é alheio ao futebol e à política. Implacável, passou sobre 2018 como um rolo compressor. O que resta é fazer mais ou menos as mesmas reflexões de Brás Cubas: as horas investidas em insultos proferidos contra quem pensa diferente de nós foram ganhas ou perdidas?

A resposta parece óbvia. Só espero que você, rara leitora ou raro leitor que aguentou chegar ao último parágrafo dessa ladainha, seja do time dos que não dão bola para filosofares inúteis de boteco como os desse texto.

Relacionadas

Murilo Reis
Novos bois para compor a boiada
04/01/2019 às 17:12
Murilo Reis
Cinéfilos contra a Sessão da Tarde
17/12/2018 às 16:03
Murilo Reis
O inimigo que não virá
06/12/2018 às 16:46

Blogs e colunas

Luís Antonio
Luís Antonio
Uma trombada presidencial
04/01/2019
Murilo  Reis
Murilo Reis
Novos bois para compor a boiada
04/01/2019
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Guilherme  Quintão
Guilherme Quintão
O terceiro turno de Bolsonaro
30/10/2018
Matheus  Santos
Matheus Santos
O reforço de PSDB e PT à Bolsonaro
29/10/2018
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Povo de Deus
11/12/2018